Moradores de uma comunidade quilombola da região do Jalapão, no Tocantins, denunciam situação de isolamento por falta infraestrutura de transporte.

A Defensoria Pública do Estado entrou com uma ação na Justiça cobrando providências dos governos estadual e municipal.

 

Cerca de 50 famílias da Comunidade Quilombola da Boa Esperança, no município de Mateiros, vivem isoladas porque não existe ponte de acesso à área onde vivem.

A travessia é feita, exclusivamente, por uma balsa improvisada construída pela própria comunidade com galões e madeira, o que facilita a ocorrência de acidentes.

A situação exclui a comunidade de serviços básicos de saúde. Não há, por exemplo, visitas regulares de equipes do Programa Saúde da Família. Ambulância também não consegue chegar no local. O defensor público Pedro Alexandre Conceição destaca a situação de vulnerabilidade dessas famílias e relata a saga das crianças para conseguir chegar a escola.

Em períodos de cheia, as crianças chegam a ficar sem ir às aulas porque o cabo de aço para puxar a balsa fica debaixo da água.

A solução para o problema seria uma a construção de uma ponte de menos de 30 metros, no Rio Sono, para ligar a comunidade a São Félix, município vizinho de Mateiros.

Após diversas tentativas de resolver o problema dos quilombolas, sem a judicialização do caso, a Defensoria Pública do Tocantins ingressou com Ação Civil Pública contra o município de Mateiros e o Estado do Tocantins pedindo a apresentação de projeto e cronograma para a construção da ponte de acesso à comunidade Boa Esperança sobre o Rio Sono.

A ação pede, ainda, o conserto da balsa que os moradores já utilizam em condições precárias.

A Secretaria de Infraestrutura do Tocantins informou que ainda não foi notificada pela Defensoria Pública, mas destacou que a medida é de responsabilidade do município de Mateiros.

Até o fechamento desta matéria, não recebemos retorno da prefeitura.

Source: Internacional