Desvendada ampla rede de fake news na Europa

Desvendada ampla rede de fake news na Europa

23 de maio de 2019 Off Por edumeireles

Na véspera da eleição europeia, estudo expõe existência de redes de extrema direta que espalham notícias falsas e discurso de ódio na UE. Conteúdo somava mais de 500 milhões de visualizações nos últimos três meses.

Na véspera do início das eleições legislativas europeias, que vão desta quinta-feira (23/05) até o domingo, a ONG Avaaz publicou um estudo no qual afirma ter identificado mais de 500 páginas e grupos de extrema direita no Facebook suspeitos de disseminar informações falsas dentro da União Europeia (UE). 

O relatório apresentado nesta quarta-feira (22/05) permitiu a remoção de conteúdo que totalizava mais de 500 milhões de visualizações nos últimos três meses, segundo a organização. Entre estas contas também estão perfis relacionados à legenda populista de direita alemã Alternativa para a Alemanha (AfD).

A Avaaz diz ter relatado mais de 500 páginas e grupos suspeitos, que são seguidos no total por quase 32 milhões de usuários e geraram mais de 67 milhões de interações – comentários, curtidas e compartilhamentos – nos últimos três meses.

No mesmo período, os conteúdos relacionados a essas páginas e grupos geraram 533 milhões de visualizações, segundo cálculo da Avaaz. 

A organização acrescentou que o Facebok já removeu 77 páginas e contas reportadas em abril e maio “que juntas tinham três vezes mais seguidores (5,9 milhões) do que os seis principais partidos europeus de extrema direita ou anti-UE” – Liga, AfD, VOX, Partido Brexit, Reunião Nacional (ex-Frente Nacional) e PiS, que somam 2 milhões.

“O Facebook permitiu que muitas atividades suspeitas e conteúdo malicioso se espalhassem. É preciso excluir e realizar imediatamente verificações em toda a UE para detectar outras atividades suspeitas em sua plataforma”, como contas duplicadas que ajudam a amplificar uma mensagem ou páginas que mudam seus nomes, afirmou a Avaaz.

As análises da Avaaz detectaram cerca 131 contas e oito páginas suspeitas na Alemanha. É o país mais afetado, seguido pela Polônia, com 43 perfis e 27 grupos. Ao compartilhar sempre a mesma mensagem, como, por exemplo, “Merkel mentiu”, estas páginas conseguiram enganar o algoritmo do Facebook e posicionar melhor suas mensagens na rede social.

Estas contas apoiavam amplamente a AfD e também espalharam conteúdo e desinformação extremista de direita. Sob o nome da política alemã Laleh Hadjimohamadvali, da AfD, existiam quatro contas pessoais, conectadas entre si e que, em parte, postavam conteúdo idêntico.

A política da AfD confirmou o fechamento de pelo menos uma destas contas e afirmou não ter sido a primeira vez. Hadjimohamadvali afirmou também que já teve inúmeras postagens deletadas ou bloqueadas.

No ano passado, Hadjimohamadvali foi condenada por um tribunal a ´pagar uma multa por disseminar retratos violentos. Ela publicou uma postagem sobre abuso infantil no mundo islâmico. “Estou sendo privada da liberdade de expressão”, disse Hadjimohamadvali à emissora pública SWR.

A investigação da Avaaz também encontrou conteúdo ilegal na Alemanha, como suásticas e postagens que apoiam os negadores do Holocausto. Estes conteúdos foram divulgados por contas que seguem a AfD no Facebook.

 A ONG americana especializada em ativismo online lançou uma campanha chamada “Corrigir o registro”, que visa forçar o Facebook a mostrar para todos os usuários textos que contradizem aqueles conteúdos vistos e identificados como falsos pelos serviços de checagem de fatos.