Engenheiros e pessoal de manutenção querem entrar em greve em um dos períodos mais movimentados do ano

Milhares de passageiros serão afetados, caso a paralização de engenheiros e pessoal de manutenção seja efetivada antes do Natal.

Os engenheiros da Air New Zealand delinearam planos para entrar em greve na época mais movimentada  da companhia no ano, colocando em risco os planos de viagem de Natal para dezenas de milhares de viajantes.

Os sindicatos (Associação de Engenheiros de Aviação e Marinha e E tū), representando os engenheiros de manutenção de aeronaves da Air New Zealand, a logística de aeronaves e o pessoal relacionado, notificaram a ação planejada a ser realizada quatro dias antes do Natal.

A ação de greve deve envolver cerca de 1.000 funcionários começando dia 21 de dezembro, e pode afetar os planos de viagem de 42.000 clientes com reservas marcadas  para viajar neste dia.

A ação de greve envolve uma disputa salarial, em relação aos aumentos anuais no pagamento de pessoal.

Um comunicado da Air New Zealand disse que, enquanto o grupo de engenheiros recebeu aumentos salariais anuais nos últimos 12 anos, e que até  agora uma comissão rejeitou propostas recentes da companhia aérea, incluindo um aumento imediato de dois por cento, seguido de um aumento de três por cento. após 12 meses, com uma nova revisão salarial em meados de 2021.

A Air New Zealand disse que a renda média dos engenheiros de manutenção, logística e outros funcionários que querem entrar em greve  é de NZ $ 115.000 – e cerca de 170 deles ganham mais de NZ $ 150.000.

Além das preocupações salariais, os funcionários também solicitam uma semana extra de férias anuais para funcionários com cinco anos de serviço (elevando para  seis horas por ano), vagas reservadas em estacionamento a menos de 500 metros do local de trabalho e direito de renegociar os termos antes da temporada de Natal para o próximo ano.

A Gerente Geral de Manutenção de Aeronaves da Air New Zealand, Viv de Beus, descreveu a ação grevista proposta como extremamente decepcionante.

“Seria devastador ver os planos de férias de mais de 40.000 trabalhadores Kiwis e visitantes internacionais arruinados”, disse De Beus.

“Só estamos em negociações com esse grupo há seis semanas para que a ação industrial seja totalmente prematura. Continuamos comprometidos em trabalhar em estreita colaboração com os sindicatos de engenheiros para chegar a um acordo razoável e evitar a greve, se possível.”

Ele disse que os sindicatos concordaram em negociações de mediação na segunda-feira para tentar resolver a disputa e evitar a greve.

Dias de maior movimento
No início deste mês, o aeroporto de Auckland revelou seus dias mais movimentados durante o período de férias.

Sábado, 22 de dezembro, e domingo, 6 de janeiro, estão no topo da lista, com mais de 43.000 viajantes esperados para o terminal internacional em cada um dos dois dias de pico de viagem.

Nos outros oito dias – 20, 21, 23 e 26 de dezembro, e 3, 4, 5 e 13 de janeiro, são esperados mais de 40.000 viajantes no mesmo terminal.

Em um dia normal, 34.000 a 35.000 pessoas passam pelo terminal internacional, em meio a um aumento acentuado no número de passageiros que há três anos levou o aeroporto a iniciar um plano de desenvolvimento de 30 anos para atender ao crescente crescimento.

Assim como aqueles que estão indo ou voltando, milhares mais também chegarão ao nosso saguão de embarque nacional para dar adeus ou dizer olá.

Cerca de 90.000 veículos chegam ao aeroporto todos os dias, 15% a mais do que o pico de 2016, o que levou a um congestionamento  nas ruas  do aeroporto.