Uma das agências do banco BNZ. Foto de arquivo

Cerca de 10.000 clientes da BNZ estão preparados para receber o reembolso

Mais de 10.000 clientes do Banco da Nova Zelândia receberão reembolso da ordem de NZ $ 3,8 milhões para compensar erros cometidos com relação a documentos de empréstimos.

O banco informou que descobriu os erros depois de analisar seus sistemas após as mudanças nos Contratos de Crédito e no Ato de Financiamento ao Consumidor, com alguns erros que remontam a 2015.

Os problemas incluem o banco não enviar a documentação aos clientes com rapidez suficiente quando os clientes alteraram suas contas ou enviaram documentos com informações ausentes ou incorretas, como total de juros e pagamentos totais.

Enquanto algumas novas contas de cartão de crédito ou de crédito imobiliário foram configuradas com documentação antiga, porque as regras foram alteradas antes do processamento ser concluído.

O BNZ disse que os clientes receberão um reembolso sobre alguns  dos juros e taxas cobrados, o reembolso médio será em torno de NZ $ 375, embora alguns clientes vão receber menos de um centavo.

O banco disse que restituições abaixo de NZ  $ 4,99 seriam arredondadas para NZ $ 5.

Os clientes afetados terão  seu reembolso automaticamente depositado em sua conta ou vão receber  um cheque nos próximos dias.

Angie Mentis, executivo-chefe do BNZ, pediu desculpas pelos erros.

“Embora erros ocorram de tempos em tempos, encontrar esses erros e consertá-los é simplesmente a coisa certa a fazer para nossos clientes”, disse Mentis.

O BNZ disse que a maioria dos problemas foram descobertos e consertados dentro de um mês e todos os clientes agora estão com  a documentação correta.

Perguntado por que demorou tanto tempo para consertar os erros cometidos em 2015, um porta-voz da BNZ disse que vinha trabalhando internamente juntamente com assessores há algum tempo para garantir que entrasse em contato com todos os clientes afetados para corrigir as informações enviadas.

“Desde então, temos trabalhado com a Comissão de Comércio para garantir que eles concordem com nossa interpretação de como a CCCFA se aplicou nesses casos e para garantir que tudo o que estávamos fazendo estivesse correto.”

Ele disse que o banco agora estava confiante de que havia resolvido todas as questões.