Reprodução/TV Globo Fonte: Último Segundo

O italiano estava a bordo de uma van seguida de outros 15 carros de polícia.

O italiano Cesare Battisti já está sendo levado para Rebibbia, um presídio na periferia de Roma, onde ele deverá cumprir a pena de prisão perpétua por quatro assassinatos cometidos nos anos 1970. O avião que levava o italiano e decolou da Bolívia, onde ele foi capturado , pousou no aeroporto de Ciampino, também nas imediações da capital italiana, por volta das 08h40 da manhã desta segunda-feira (14). Ele nega que tenha cometido os assassinatos e se diz vítima de perseguição política em seu país natal.

Cesare Battisti foi preso em Santa Cruz de La Sierra (na Bolívia), após ser considerado foragido no Brasil e ter sua extradição decretada ainda pelo ex-presidente Michel Temer (MDB) depois que o atual presidente Jair Bolsonaro (PSL) tornou o caso uma pauta nacional e prometer que faria tão logo tomasse posse.

Após ser capturado no país vizinho com a ajuda do setor de inteligência da Polícia Federal (PF) brasileira, ele foi entregue às autoridades italianas e embarcou no domingo (13) para a Itália em um voo sem escala no Brasil, como estava inicialmente previsto. O jornal La Repubblica relatou que conversou com oficiais que estavam no avião que transportou o italiano e que Battisti não demonstrou sinais de desespero durante o voo. Ele ficou quieto e dormiu por horas.

Na Itália, a polícia montou um forte esquema de segurança para levá-lo do aeroporto até o presídio na periferia de Roma . No trajeto, patrulhas fecharão os acessos para que o comboio chegue rapidamento ao presídio e não haja nenhuma tentativa de fuga, informou o jornal italiano Corriere della Sera . Apesar disso, Cesare Battisti desceu do avião sem utilizar algemas. Mais de 200 jornalista de vários lugares do mundo acompanhavam o caso do aeroporto e relataram que existe um clima de tensão uma vez que o italino já conseguiu fugir da cadeia uma vez no passado.

Condenado à prisão perpétua em 1993 sob a acusação de ter cometido quatro assassinatos na Itália na década de 1970, Battisti poderá desfrutar de alguns benefícios como sair da cadeia por curtos períodos se apresentar bom comportamento depois de ter cumprido 10 anos de pena, já que seus crimes foram cometidos antes de 1991 quando houve uma mudança na legislação italiana.

Apesar da sentença de prisão perpétua, pelas leis italianas, o condenado não deverá ficar mais de 30 anos preso. Ele deverá ficar isolado nos primeiros seis meses numa ala do presídio para terroristas e terá direito a pedir liberdade condicional após cumprir 26 anos de prisão.O ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, que ontem agradeceu o Brasil pelo “grande presente”  estava presente no aeroporto, conforme tinha prometido, mas não sei encontrou pessoalmente com Battisti. Uma das principais liderança de extrema-direita da Europa, o vice-premier italiano chama Battisti de “assassino comunista”.

Também no aeroporto, segundo relatos da imprensa italiana, o criminoso capturado afirmou aos funcionários do serviço antiterrorismo que “agora eu sei que vou para a cadeia”, disse.

Além disso, como Cesare Battisti nunca chegou a comparecer ao julgamento e acabou sendo condenado à revelia, sua defesa poderá pedir um novo julgamento. Nesse caso, porém, Battisti deverá aguardar uma possível nova sentença, já preso.

A Polizia di Stato da Itália publicou em suas redes sociais um vídeo do terrorista andando pelas ruas. “Cesare Battisti levado de volta antes da captura. Equipes de policiais #Criminalpol #Antiterrorismo e #Digos Milano com colaboração de inteligência italiana o seguiram até a prisão pela polícia boliviana”, diz o post no Twitter.