Golpista, DJ, manicure e motorista: conheça os quatro alvos da PF

Golpista, DJ, manicure e motorista: conheça os quatro alvos da PF

25 de julho de 2019 Off Por Rádio Vox Brazil

PF deflagrou nesta terça-feira operação contra os supostos hackers que invadiram as contas no Telegram dos ministros Sergio Moro e Paulo Guedes

A Polícia Federal prendeu nesta terça-feira na Operação Spoofing quatro pessoas suspeitas de integrarem uma “organização criminosa” responsável por “violar o sigilo telefônico de diversas autoridades públicas brasileiras via invasão do aplicativo Telegram”, conforme decisão proferida pela Justiça Federal de Brasília. Segundo a PF, mais de 1.000 pessoas foram vítimas do suposto grupo hacker, entre elas os ministros Sergio Moro (Justiça), Paulo Guedes (Economia), desembargadores, procuradores, entre outros. Conheça a seguir o que se sabe sobre cada um até agora:

Walter Delgatti Neto, de 30 anos, também conhecido como “Vermelho” por causa do cabelo e barba ruivos, é apontado pelos investigadores como o cabeça por trás das invasões ao aplicativo de conversa. É conhecido em delegacias do interior de São Paulo como um “golpista profissional” – morava atualmente em Ribeirão Preto, mas sua família residia em Araraquara. Na Justiça de São Paulo, ele é alvo de processos por falsificação de documento e furto e estelionato. Em 2018, foi condenado a 2 anos de prisão em regime semiaberto por ter falsificado uma carteirinha da USP, onde alegava estudar medicina.

Conhecidos de Araraquara dizem que ele gostava de se gabar dos seus feitos. Isso fica claro nos autos das ações às quais respondeu na Justiça. Autoridades policiais registraram que ele dizia ser uma “pessoa influente” na cidade que tinha “amigos” juízes, promotores e políticos, e que se apresentava como um “investidor” com “conta na Suíça”.

Delgatti reativou a sua conta no Twitter no mesmo período em que começaram os vazamentos das mensagens pelo site The Intercept Brasil, no início de junho. A partir daí, passou a compartilhar diariamente críticas à Lava Jato e ao governo Bolsonaro, em especial ao ministro da Justiça, Sergio Moro. Apesar dos ataques encampados pela esquerda, Delgatti se mostrava um apaixonado por armas e era filiado ao DEM desde 2007.

Gustavo Henrique Elias Santos, 28 anos, era conhecido como DJ Guto Dubra, que promovia festas de música eletrônica em cidades do interior de São Paulo. Segundo a sua defesa, ele nega ter participado dos ataque hackeràs autoridades.

Santos já foi preso por receptação de uma caminhonete roubada e porte ilegal de arma. Conforme as investigações da PF, Gustavo movimentou 424.000 reais entre abril e junho de 2018, tendo uma renda mensal de 2.866 reais. Morador da Zona Sul de São Paulo, ele comentava com vizinhos que fazia investimentos pela internet. Sua defesa afirmou que ele mexia com bitcoin.

Suellen Priscila de Oliveira, 25 anos, era mulher do DJ Gustavo Elias. Conhecidos disseram que ele fazia investimentos online com o marido e que chegou a fazer bicos de manicure. Conforme a decisão judicial de Brasília, ela movimentou 203.000 reais de março a maio de 2019, tendo renda de 2.192 reais.

Danilo Cristiano Marques, 33 anos, era conhecido por ser motorista de aplicativos de transporte. De um endereço ligado a ele, teria partido o sinal de um dispositivo usado nos supostos ataques hackers.

Via VEJA