Reprodução/CNN

Presidente norte-americano provocou risos na plateia da Assembleia Geral das Nações Unidas, ao se gabar dos seus feitos na administração do governo

O discurso do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, durante a abertura da Assembleia Geral da ONU, nesta terça-feira (25), foi marcado por um momento de descontração – causado por uma saia justa. Isso porque Trump provocou risos na ONU, ao abrir o seu pronunciamento com um autoelogio em seu já conhecido estilo hiperbólico.

Percebendo que a situação havia ficado desconfortável, com a continuidade dos risos, o republicano acabou sorrindo também e completou seu pensamento dizendo: “Eu não esperava essa reação, mas tudo bem”.

A cena marca a história dos Estados Unidos e da ONU, dado que momentos de descontração são extremamente incomuns no evento. Afinal, a Assembleia Geral da ONU , que chega a sua 73ª edição neste ano, sempre seguiu um protocolo rigoroso, com cada líder mundial sendo escoltado até a tribuna para um discurso sobre as questões do dia.

O discurso de Trump começou com atraso. Tradicionalmente, os Estados Unidos são o segundo país a discursar, depois do Brasil, mas o fato do republicano não ter chegado a tempo forçou uma mudança de protocolo neste ano. Assim, o magnata acabou falando depois do presidente dos Equador, Lenín Moreno.

O magnata republicano usou o plenário para defender as decisões unilaterais tomadas ao longo de seu governo, como a saída do Acordo de Paris sobre o clima e do tratado sobre o programa nuclear do Irã e o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel.

“O Irã não respeita a soberania das nações da região”, declarou Trump, acusando os líderes do regime de “enriquecerem” às custas do povo. “Os vizinhos do Irã pagam um preço alto por causa de sua agenda de agressão e expansão, por isso muitas nações da região apoiam minha decisão de retirar os EUA do horrível acordo nuclear e reintroduzir as sanções. A ditadura se aproveitou para construir mísseis nucleares, aumentar a repressão e financiar as guerras na Síria e no Iêmen”, disse.

Depois de ter arrancado risos na ONU , Trump adotou um discurso duro e convidou todos os países presentes a aumentarem a pressão econômica sobre o regime iraniano, para cortar o dinheiro de que Teerã precisa para “implantar sua agenda sanguinária”. “Não podemos permitir que os maiores financiadores do terrorismo possuam as armas mais poderosas do mundo”, ressaltou.

* Com informações da Agência Ansa.